O conteúdo deste BLOG é regido pelos termos de licença do 'CreativeCommons'.

Clicando na imagem abaixo você saberá os termos de uso para os trabalhos aqui publicados e no rodapé as diretrizes de uso.

Creative Commons License

segunda-feira, 8 de março de 2010

Nordeste não está livre de tsunami

Fonte: Starnews 2001


Onda levaria seis horas para atingir região
Seis horas: esse seria o tempo que o tsunami, uma vez formado na costa oriental da África, levaria para alcançar o Nordeste brasileiro. Antes passaria por Fernando de Noronha, onde ondas de quatro metros, chamadas de swell pelos surfistas, quando não empurram carros estacionados perto do porto e quebram píeres, levam à suspensão dos passeios de barco e do desembarque de navios em cruzeiro, por causa do mau tempo. O tsunami seria mais de 12 vezes superior a um swell.

O administrador do distrito estadual de Fernando de Noronha, Romeu Batista, afirma nunca ter ouvido falar sobre o fenômeno, mas demonstra interesse pelo assunto. “Vou procurar saber. É muito importante esse tipo de informação para quem lida com a administração pública.” A própria ilha principal, uma das 19 que compõem o arquipélago, é o topo de uma elevação da Cordilheira Atlântica, de origem vulcânica.

Na Paraíba, onde mais de 40 pesquisadores da universidade federal estudam as vulnerabilidades do litoral desde 1998, a situação de desconhecimento do fenômeno não é diferente da de Pernambuco. “Produzo conhecimento, concedo entrevistas e faço palestras, mas até agora não há um plano estadual para proteger a população do tsunami”, reclama o geógrafo da UFPB Paulo Roberto de Oliveira Rosa, professor do Departamento de Geociências.
O pesquisador defende a instalação de um marégrafo, equipamento para medir a amplitude da maré, nas capitais do Nordeste. “João Pessoa, que se situa na porção mais ocidental do Brasil e tem sofrido com a erosão costeira, só dispõe de régua, que faz uma medição muito menos precisa.”

Ele destaca a importância de um plano de evacuação para Fernando de Noronha, a apenas 3.700 quilômetros do epicentro do possível tsunami. “O Havaí, que fica a 7.500 quilômetros da costa do Chile, onde teve terremoto semana passada, ficou em estado de alerta e emitiu informes à população. A onda chegou lá com pouco mais de dois metros. Aqui os dirigentes pensam que vamos continuar para sempre deitados em berço esplêndido.”
Paulo Rosa revela que entregou ao Ministério da Ciência e Tecnologia projeto de pesquisa para estudar os possíveis riscos do tsunami na Paraíba. “Os estudos disponíveis são feitos por cientistas americanos e, claro, estão voltados para os riscos nos Estados Unidos.” Ele, no entanto, não teve recursos liberados.

O especialista diz que a defesa civil se coloca distante da academia. “Não é nossa função orientar a população sobre o que fazer. Produzimos conhecimento. Cabe ao poder público utilizá-lo na prática.” Enquanto o tsunami não chega nem a defesa civil se posiciona sobre a possibilidade do fenômeno, Paulo Rosa se mantém afastado do litoral. “Moro no Jardim Cidade Universitária, que está num terreno 40 metros acima do nível do mar. Mudar para a praia nem pensar.”


Nordeste não está livre de tsunami

Imagem de satélite do vulcão Cumbre Vieja. Fonte: Starnews 2001 / NASA
O ano começou marcado por catástrofes naturais nos quatro cantos do planeta. Agora, como se não bastasse, cientistas fazem prognóstico de ondas gigantes na costa do País, enchentes em Angra dos Reis, São Paulo e Ilha da Madeira, terremotos no Haiti, Taiwan e Chile. Não bastasse tanta calamidade no início de 2010, agora pesquisadores anunciam um tsunami no Oceano Atlântico. O alvo brasileiro: Fernando de Noronha e a costa do Nordeste acima da Paraíba.

A formação da onda gigante depende da erupção do Cumbre Vieja, prevista pelo cientista americano Steven Ward, da Universidade da Califórnia. O vulcão, localizado na Ilha La Palma, no arquipélago das Ilhas Canárias, perto da costa africana, entrou em atividade pela última vez em meados do século 18. “E seu ciclo é de 250 anos”, avisa o especialista em riscos geológicos da Universidade Federal da Paraíba Paulo Roberto de Oliveira Rosa. Ou seja, o gigante adormecido está perto de acordar de novo.

Não seria só a lava, mas também as paredes do vulcão, a causa do cataclismo. É que na última erupção cientistas registraram o aparecimento de uma grande fissura na parte oeste da cratera vulcânica, que fica posicionada virada para o Atlântico.

“Caso ocorra uma erupção de maiores proporções, acredita-se que um volume considerável de rochas e material da cratera deslize em direção ao oceano. Nesse caso, haveria um deslocamento da água do mar, vertical e para cima, de igual volume ao do material do deslizamento”, explica o coordenador do curso de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), João Adauto de Souza Neto.

Segundo o pesquisador, numa escala de milhares de anos há a probabilidade de ocorrer novos deslizamentos em direção ao Oceano Atlântico, provocando a formação de ondas. O pesquisador recomenda às defesas civis se prepararem para o possível tsunami. “Temos que ter um serviço de informações eficiente para a população. O tempo de antecedência com que se conhece um fenômeno é o principal fator. O serviço de informações poderia ser ao estilo do meteorológico. Isso é o que ocorre em outros países do mundo”, justifica.

Para João Adauto, a defesa civil deve informar à população, o mais rapidamente possível, a possibilidade de erupção iminente nas Ilhas Canárias. “Para isso, precisa passar a acompanhar a atividade desse vulcão, a partir do contato com os pesquisadores que o monitoram.”

Quanto mais rápido for conhecida a iminência de uma erupção, diz o geólogo, melhor. Rápido, nesse caso, são dias ou horas. “A população do Nordeste que habita as áreas costeiras de relevo mais baixo deveria se deslocar para áreas mais elevadas das cidades litorâneas ou do interior. O recomendado é que fiquem emaltitudes superiores às alturas das ondas do mar.”

Depois de alcançar Fernando de Noronha, a onda gigante atingiria os Estados do Ceará, Piauí, Maranhão e litoral norte do Rio Grande do Norte. “Paraíba está mais susceptível que Pernambuco”, acredita Paulo Rosa. A onda viajará, prevê João Adauto, numa circunferência crescente e em todas as direções, seguindo para a costa leste dos Estados Unidos e Canadá, Caribe, México e América do Sul.


SEM ALARDE

À frente da Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), o tenente-coronel Ivan Ramos garante que nunca ouviu falar sobre o Cumbre Vieja, tampouco sobre um tsunami. “É preciso ter cautela para não alardear a população”, adverte. Revistas de circulação nacional, no entanto, publicaram a notícia, assim como redes de TV a cabo exibiram recentemente documentários.

Na Flórida, informa Paulo Rosa, já há plano de evacuação para esse tsunami e os prédios estão sendo segurados. Enquanto o Estado americano se encontra a 4.500 quilômetros do epicentro da possível catástrofe, o Nordeste está a 4.200 quilômetros, isto é, mais perto ainda.

16 comentários:

Maria Olandina (Mary) disse...

há muito tempo se fala nesse tsunami. O curioso é que a maioria da imprensa ignora essa informação.
Mas dói os olhos quando vejo um jornalista escrevendo "larva" do vulcão...aff

Frederica disse...

bem típico das autoridades brasileiras deixar tudo para última hora e remediar a prevenir...
lamentável deixar que isto ocorra com o lugar mais lindo do Brasil, a tão desejada Noronha.
não podemos lutar contra a natureza, ela está no seu direito de se rebelar contra os homens, porém pode-se sim prevenir grandes catástrofes.

Robson Fernando disse...

Ao prof. Paulo Roberto, pergunto por aqui, já que seu e-mail divulgado não está funcionando:

Eu gostaria que o sr. desse sua opinião sobre o site http://www.lapalma-tsunami.com/ , que refuta a pesquisa que "descobriu" a ameaça de um tsunami que viria da ilha de La Palma.

Aguardo resposta. Peço que responda ao e-mail robfbms[arroba]hotmail[ponto]com

Grato

wanderson disse...

e do saber de todos que realmente a ciencia esta muito avancada, mais o que esquecemos nois e que tudo isso esta predito na biblia e uqe daqui pra frente ao homem cabe os planos e as reposta certamento estao vindas de Deus,incassavelmente desde ha muito nois ouvimos falar da vinda de Jesus mais aos cegos nunca conseguiram enxergar seus pressagios e agora as coisas estam ficando mais clara se querem minha opniao estudem mais a biblia e la encontraram certamente as resposta e veram que realmente estamos nois nos finais dos tempos pois tudo mudou derrepente o amor de todos se esfriou catastrofes encima de catastrofes rumores de guerras pai contra filho e vice-versa mais ainda nao e o final eis que viram falar do anti-cristo e a besta surgira do fundo oceano e enquanto o evangelho nao for pregado nos 4 cantos da terra eu nao retornarei...

Anônimo disse...

Gostaria de saber, caso o vulcão entre em atividade, se existe dados sobre a altura da onda ao atingir o litoral, no caso piauiense, e quantos metros ela pode percorrer sobre a porção continental. Estou à procura de informações porque a população de Parnaíba-PI está apavorada.

Paulo disse...

Olá anônimo sei que é assustador uma informação como essa a de tsunami no litoral nordestino, porém o que foi anunciado é que nossos estudos tem apontado para a questão de que não estamos, enquanto sociedade, preparados para qualquer tipo de desastre oriundos da natureza.
Como não existem estudos, com simulações, temos que pegar carona nos trabalhos que já estão circulando na mídia virtual. Nossos trabalhos aqui no litoral da Paraíba estão focados na falta de conhecimento da própria natureza do lugar,ou seja do litoral.
Aí no PI, mas especificamente no litoral podemos ver que as marés são semelhantes às daqui, apesar de que a maré mais elevada aí neste mês de março foi prevista na tábua de marés da marinha em 2.9, é uma maré alta em relação as nossas daqui (2.8m). Porém, o que temos procurado alertar são as Defesas Civil dos Estados e Municípios, assim como as entidades que lidam com o conhecimento é de que precisamos estar alerta com o que está sendo discutido nos segmentos especializados.
Nossa sociedade, a brasileira, está relativamente acomodada em relação a possibilidade de acontecimentos geológicos de magnitudes elevadas. O oceano Atlântico não é um ambiente fora de riscos geológicos como os terremotos, maremotos e outros eventos resultantes destes. Assim sendo não resta dúvida temos que estudar e simular possibilidades.
As ilhas vulcânicas poderão entrar em atividade e dependendo da magnitude do evento. Nesse caso, estes poderão acarretar desdobramentos como tsunamis. Temos anunciado é que devemos estudar inclusive planos de emergência para eventos de gênero como estes. Segundo as informações que estão na mídia virtual é que “se” o vulcão Las Palmas entrar em erupção poderá gerar uma onda alta e esta poderá atravessar o oceano e chegar às costas do Brasil, no caso no NE.
Tomando como base a precaução, temos que estar atentos, haja vista que mesmo tendo, no nosso litoral nordestino, mais ao Norte: PB, RN, CE, PI e MA a corrente oceânica em direção ao Golfo do México, esta corrente irá agir como força contrária, logo dissipadora de uma onda no sentido contrário. Havendo uma erupção com grande envergadura lá no litoral africano, uma onda poderá vir, mas acredito que virá sendo dissipada e não terá uma crista elevada. No entanto, veja só, se houver uma onda chegando aqui com um metro de altura, e esta coincidir com uma maré de 2.9m, teremos então algo em torno de 4.0. Nesse caso as planícies estarão vulneráveis, mas não a cidade de Parnaíba, como é o caso de vocês aí. Esta cidade está mais acima (meu conhecimento é rudimentar em relação ao litoral de vocês), possivelmente uns sete a dez metros acima do nível do mar e relativamente distante do litoral (área de contato entre a terra e o mar).
Porém sou de opinião no sentido de que um acidente natural desse gênero, a Defesa Civil se previna fazendo estudos mais amiúde sobre o assunto, tendo como destaque às vulnerabilidades ambientais no litoral. Esses estudos poderão ter como parceria escolas, se possível do terceiro grau, nesse caso teremos um tipo de prevenção juntamente com a sociedade.
Quanto a questão da prevenção podemos citar que a distância das ilhas Canárias para a costa Leste estadunidense e nordestina (Br) é de aproximadamente 4500 e 4200 km , e tomando como base a precaução dos havaianos, distando 7.200km (aproximadamente) do Chile, tocaram o sinal de alerta de tsunami quando houve o terremoto. O Japão distando aproximadamente 11.000km também não deixaram de alertar a população sobre a possibilidade do tsunami .
Assim sendo acredito que precisamos olhar a natureza com mais atenção, por isso que dei a entrevista (por telefone) à TV aí do Piauí, mas no sentido de criarmos um ambiente de precaução e não de pânico.
Paulo Rosa

Anônimo disse...

oi ,MORO NO LITORAL DO PIAUÍ LUIS CORREIA PRAIA DO COQUEIRO, QUERIA LHE FAZER UM APELO QUE DESSE OUTRA ENTREVISTA A RESPEITO DO TSUNAMI NO PIAUI, POIS O POVO DA REGIÃO ESTAO MORRENDO DE INFARTO, SE MATANDO E OUTROS ATÉ VENDENDO TUDO QUE POSSUEM. TODOS ANDAS ATERRORIZADOS. AGRADEÇO SE FOR POSSIVEL.

Paulo disse...

Olá anônimo se vc observar já dei outra resposta com caráter de entrevista aqui mesmo no blog. Minha preocupação é alertar as autoridades "Defesa Civil" das localidades costeiras. No entanto quando respondi ao outro morador local sobre a situação o fiz no sentido de que ele poderá pegar o site do blog e disponibilizar nas escolas local.

Nadine disse...

(anônimo de Parnaíba (13/03/10).
Olá Prof Paulo, muito obrigada pelas informações. Desejo que nossas universidades, principalmente as do NE, e outros órgãos de pesquisa se unam no sentido de elucidar e monitorar eventos desse tipo, pois, numa visão leiga, creio que esses eventos naturais estão ficando cada vez mais frequentes.
Obrigada pela entrevista à TV, entendo o objetivo. Faço votos que esse manifesto da sociedade excite nossos governates e fico feliz por sua autorização para divulgação do blog.
Grata,
Nadine.

Anônimo disse...

Alguns anos atrás as pessoas falavam muito pouco sobre esse assunto. Mas
Depois do aumento sísmico no Planeta
devido a uma mudança no eixo da Terra
trouxe consigo mais preocupação por
parte das pessoas "atentas". Bom, na
verdade eu queria a opnião, se der,de
um profissional na área, e saber se
há possibilidade de haver uma onda
gigante no Brasil ainda neste ano de
2010. Muitas pessoas estão crente que
vai acontecer em poucos meses. Eu,
gostaria de uma avaliação precisa
do poder de destruição de uma tsunami. Caso ocorra.

Thiago Sarmento disse...

Depois da mudança de eixo
do Planeta vários Sismos foram de
certa forma aumentando e aumentando
consigo o "medo" da população. Gostaria mt de saber quais os "estragos" que essa onda possivelmente poderia nos causar. Quero dizer, qual o poder de
destruição aproximado desta tsunami?
Há tambem más linguas que dizem que
essa onda ocorrerá este ano ainda

Anônimo disse...

nos avise logo as autoridades da qui de parnaíba estão sem fazer nada e quando chegar o dia eles vao aviasar em cima da hora nos ajude todoa estao apavorados minha familia ja esta encachotando tudo pra sair de parnaiba peço a todos que estao vendo

edinete disse...

vamos orar pois como sabemos q isso é caso a acontecer ,vamos interceder a DEUS para q as autoridades tome nota disso e ñ deixe para agir em cima da hora ,fé em DEUS todo poderoso e q ele nos abençoi

Jemyson disse...

Eu não sabia que esse assunto fosse tão real, temos que fazer alguma coisa pra alerta as autoriades desse país, URGENTE. gostaria de receber em meu email mais informações sobre assunto peço que o responsavel por esse blog me deixe informado. sou estudante DE Pedagogia da UFPE e gostaria de saber o que poderia fazer para contribuir de alguma forma. meu email é j.myson@hotmail.com.

Paulo Rosa disse...

Não há motivos para um alarme que possa tirar o sono das pessoas, haja vista é que não podemos de forma alguma dixar de nos preocupar com a possibilidade de movimentos sobre a superfície do Planeta, nesse sentido temos já experiência aqui no Brasil (dei essa informação quando houve os tremores no RN e em PE).

Houve um questionamento aqui no blog sobre o que está posto no site:
http://translate.google.com.br/?hl=pt-BR&tab=wT#

Nesse site o que podemos ver é que houve afirmativas efetivas com volumes e outras informações, porém por outro lado o que se tenta, no argumento no site, é dissuadir o público de uma preocupação eminente. Assim sendo tomemos o que houve no Japão. Lá não se pensou em Tsunami nas proporções que pudessem fazer o estrago que foi feito, porém o não previsto aconteceu, ondas de até 10mts mais os problema nucleares.

Temos que atentar que Tsunami não é oriundo somente de uma fonte, pelo contrário, há a possibilidade de diferenças de temperatura dentro do próprio oceano que poderá acarretar o desequilíbrio na superfície marinha, provocando ondas signiticativas.

A partir dessas questões é que levanto a pretensão de que o Brasil não está tão seguro como pensávamos até a pouco tempo, pelo contrário nosso sistema de Defesa Civil deve ser mais atuante assim como a questão do Ensino, nesse último caso a escola está vivendo apenas para a sociedade sem problemas naturais e nesse caso temos que rever a ação.

Estamos estudando uma série de situações e quando há alguma indicação para um evento extremo estamos atentos e é claro, comunicamos em todos os segmentos.

kleyto muniz disse...

Eu sou da paraiba de princesa isabel sera que essa tsunami chega ate aqui e sobre a defesa da população ....